Uma folga para o professor

Alguns treineiros tem a tendência natural de abraçar a crise e aliviar um pouco a barra do time. Na verdade nossa cultura burra busca sempre um bode expiatório ao invés de perder alguns minutos pensando na raíz real do problema. Na prática derrubam-se algumas cabeças e isenta-se as principais figuras (aqueles que jogam, tá?). Figuras como Felipão e Luxemburgo se expôem, a final, tem ao que provar, deles se espera cada vez mais, e os dois sempre acabam dando algumas satisfações que de fato devem, mas não sozinhos.

Se o seu time não tem jogadas, padrão tático, escalação ou sequencia, você coloca na conta do técnico.

O Palmeiras de hoje tem certo padrão tático, sequencia, e é relativamente bem escalado. Pergunto ao torcedor mais corneta e amendoim que seja: O que você mudaria na escalação atual?

Você pensa, pensa, faz uma ou duas variações e tals, mas não sai muito da escalação de hoje.

Como eu já disse neste blog, não sou um fã do Luiz Felipe, na verdade o acho bem limitado, mas quando o seu time ganha de um a zero e joga praticamente quarenta e cinco minutos com dois jogadores a mais e ainda toma o empate você não pode por nada neste mundo coloca na conta do treinador.

Assistindo ao jogo eu ví um Felipão se esguelando com o time para que este jogue para frente e meia dúzia de zagueiros e volantes tocando a bola de lado como se vestissem a camisa do Quinze de Piracicaba.

Não dá para culpar o treinador, o cara colocou o time pra frente, meteu o Maikon Leite pela direita e metade do time acha que é justo tocar a bola em direção a retaguarda.

Eu pouco assisto aos jogos do Palmeiras, pra dizer a verdade assisti este jogo e um contra o Atlético Paranaense em Curitiba e nos dois o Palmeiras foi motivo de risos. Lá no sul o Palmeiras ganhava de dois a um se não me engano, tocando bola tranquilamente, e em um segundo os jogadores conseguem a proeza de fazer um pênalti contra.

Isto não vai pra conta do técnico, o povo se esquece que quem corre são os jogadores e quem toma um empate jogando contra nove jogadores também são eles. Não me levem a mal, perder o Atlético Goianeense já é feio, mas acontece, agora perder contra nove jogadores que somados não recebem o salário do Kleber beira o surreal.

Sinceramente, já não sei mais o que pensar do Palmeiras, o time não é tão ruim quanto pregam, nem tão bom, só consigo pensar que estão tentando derrubar o treinador e treineiros como o Felipão jogam em cima da raça e do comprometimento do time, brigas com a torcida e com a diretoria engrandecem treinadores como ele, mas não fechar com o time e perder este trunfo psicológico que o acompanha sua carreira inteira o torna um treinador mediano para ruim, pois só de técnica ele não sobrevive.

Realmente não sei o que pensar, se o Palmeiras realmente chegou no ponto em que a diretoria e o timem querem derrubar simplesmente o maior ícone palestrino dos últimos vinte anos é porque está na hora de fechar o departamento de futebol e investir em basquete, vôlei, carnaval ou qualquer coisa assim pois a vergonha na cara já sumiu faz tempo.

Anúncios

É macho mesmo!!

Quando o Felipão chegou no Palmeiras fiz questão fazer um extenso texto neste blog com minha opinião pessoal sobre o treinador. Coloquei neste minhas impressões dos tempos de Palmeiras, Cruzeiro, Portugal e um pouquinho de Chelsea e o resultado foi esse link aqui. Quem não tiver lido dê uma olhadinha que nele explico certinho minha linha de raciocínio.

Quem lê meu blog com certa regularidade ou conhece minhas preferências esportivas sabe que não gosto técnicamente do Felipão. Acho o treineiro taticamente previsível e fraquíssimo. Quando ele não opta pelo esquema Muricy com bicuda para o mato e bola parada nos pés do Arce ou do Marcos Assunção ele escolhe o esquema com um atacante e dois pontas, mas sempre dando bicuda para frente. O resultado disso são os incontáveis empates e vitórias de meio a zero sobre o seu comando. Futebol que é bom nada.

Imagino que de certa forma tenha ficado bem óbvio que este texto não é nada daqueles tipos: “blá, blá, blá, Quando Felipão chegou eu pensava assim, mas hoje ele me fez mudar completamente de opinião e eu o acho o melhor treinador de todos os tempos e blá, blá, blá e blá, blá blá.”

Muito pelo contrário, continuo achando o Felipão técnicamente ridículo, mas neste último ano de Palmeiras o Gauchão ganhou completamente minha admiração.

Felipão perdeu o apoio da diretoria anterior (que já não valia muita coisa), é completamente contestado pela diretoria atual, que o acha caro demais, utilizado como escudo declarado contra a torcida e herdou um Palmeiras desorganizado dentro e fora dos gramados com uma nação mais chata que o natural em vista dos fracassos das últimas décadas, principalmente de 2008 com o Muricy.

E mesmo assim o Felipão não larga o osso.

Metade destes problemas já seriam suficientes para mandar um monte de pseudo-treineiro pro Qatar ganhar os petro-dólares, ou para qualquer outro time com melhor perspectiva. Conheco um técnico que saiu de um time porque supostamente haviam ratos nos vestiários :).

Felipão não é burro, ele sabe que só não é demitido porque é o único escudo da diretoria contra a torcida. Sabe que o Palmeiras atual não tem condições de brigar por nada e que politicamente a situação tente a explodir e mesmo assim ele está lá, dando esporro na diretoria, no time, na torcida e em quem mais ele achar que deve. Por não ser burro ele com certeza sabe que se ele não conseguir dar jeito no Palmeiras ninguém dá.

Quando Felipão veio para o Verdão eu conversei com um grande amigo Palestrino. Ambos pensamos relativamente parecido e sabemos que o professor não é aquele primor técnico, porém para a instituição Palmeiras ele é de longe a melhor opção que existe.

Os problemas do Palmeiras não estão dentro de campo, se estivessem o Luxa com certeza teria dado jeito na sua última passagem por lá. O pior é que ele quase conseguiu, mas esbarrou em problemas que vão muito além de esquema tático e tudo mais. Luxa caiu quando a diretoria e a torcida revolveram queimá-lo vivo por causa de uns dois ou três empates, depois do único título do Palmeiras nos últimos dez anos.

Para suportar este tipo de situação só o Luiz Felipe, isto é incontestável, por lá, ele é incontestável.

Hoje Scolari enfrenta um dos piores momentos de sua passagem pelo Palmeiras. Os resultados no campo não aparecem, a diretoria joga contra, a torcida cisma em idolatrar jogadores que mais atrapalham do que ajudam e pegar jogadores que estão resolvendo como Luan e Marcos Assunção para cristo e mesmo assim o Gaúcho afirma que não sai do Palmeiras por nada.

É por amor ao Palmeiras, com certeza também é, mas vejo isto como algo que vai além. O mesmo motivo que impedia o treinador de vir há uns cinco anos atrás quando a torcida clamava sua volta o impede de ir embora.

O homem tem palavra e acima de tudo ele é macho pra caralho de segurar a bronca sozinho e infelizmente para o Palmeiras neste momento ele segue cada vez mais sozinho e é justamente por isto que ele ganha cada vez mais meu respeito e admiração.

Catadão do futebol e Viva a Celeste!

Neste meu conturbado fim de semana e semana tive dificuldade para acompanhar o futebol, estou trabalhando demais e infelizmente escrevendo de menos, mea-culpa, mas sempre perto da TV consegui dar uma bizulhada em alguns jogos o suficiente para não deixar passar em branco alguns pontos, infelizmente não o necessário para comentar qualquer coisa de futebol.

Pelo pouco que assistí ví que o Tricolor Paulista perdeu o jogo para a covardia de seu mais novo estagiário que por algum motivo acha que precisa de três volantes para marcar o gigante Atlético Goianeense.

Pelo pouco que ví lá no Rio de Janeiro ví que o Tricolor Carioca pouco jogou futebol, o Palmeiras conseguiu jogar menos ainda, mesmo com o idolatrado craque que faz exame fora do clube para “provar” que está machucando, desmerecendo os médicos do clube e o próprio clube que ainda dá aumento pra quem faz exame na coxa fora do clube. Ah, a torcida ainda celebra ele em campo!

Ví o suficiente para não perder o golaço do garoto cruzeirense.

E não pude perder por nada o baile da Gigante Celeste Olímpica de Suares, Forlán e Lugano.

Parabéns Celeste.

Cuidando dos pequenos

É impressionante como quando olhamos de outra perspectiva, algo que parecia a solução pode até virar problema e o que era problema fica mais confortável.

Como todo ser pensante sempre fui defensor da tese de que um time tem que ter um futebol de base forte. É ele que garante o futuro do clube com as vendas e com a qualidade a baixo custo. É claro que tudo que é bom na teoria sai um pouco torto na prática.

Perdi as contas da quantidade de moleques que ví “desaparecendo” da base do São Paulo Futebol Clube e “aparecendo” jogando muita bola por aí. Bruno César, Keirrison e mais um monte de gente que não consigo puxar na memória neste momento. Perdi a conta também da quantidade de moleques que eu ví jogar demais no sub-15 e sub-16 que simplesmente são varridos dos registros do clube, não vão para o sub-17 e então depois de alguns anos aparecem fazendo sucesso em algum lugar do mundo. Não posso deixar de citar os que se destacam e na hora de subir para o profissional são vendidos e vão para a Europa sem nunca ter jogado uma partida pelo futebol profissional, este é o caso do goleador Lucas Piazon. Por fim, mas não menos ruim é quando o jogador vai para o profissional e com três partidas bem jogadas ele já dificulta sua renovação, espreme o clube que o lançou e aí abraça a primeira proposta do exterior que lhe é feita. Da atual geração podemos citar o Paulo Henrique Ganso e o próprio Casemiro.

Óbvio que você leitor entendeu que apenas usei a base do São Paulo como exemplo, pois eu a conheco com mais detalhes, mas este problema é um problema que atinge a todos os clubes brasileiros.

Aí eu lhes pergunto:

Vocês realmente acham que o Palmeiras não lança porra nenhuma há uns DUZENTOS simplesmente por que não tem estrutura? Porra, vaí me dizer que a estrutura do Santos é tão melhor que a do Palmeiras assim?

Estranhamente os moleques do Palmeiras estão desaparecendo igualzinho os jogadores são-paulinos que já ví sumir por aí.

A própria base do Corinthians. Vocês realmente acham que o que tem de melhor lá é o fraco do Dentinho? Não consigo me lembrar qual foi o último jogador bom mesmo que o Corinthians lançou.

Nós pobres mortais não temos noção da quantidade de moleques da nossa base que são vendidos, repassados e se perdem por aí antes mesmo dos quinze anos.

Quando o assunto é o nosso clube nós tendemos a tomar uma postura alienada de vítima, mas se pensarmos um pouquinhos conseguimos ver que um empresário tem poder para forçar a saída de alguém da base porque este clube deixou e principalmente: porque esta situação é comoda e acordada com os dirigentes do seu clube. Quando vemos um garoto que nunca vestiu a camisa do time ir pra Europa a gente fica com dó do dirigente achando que ele tomou o cano do empresário, só que esquecemos que quem repassou os direitos do jogador ao empresário foi o próprio engravatado a frente do seu clube. E se ele fez, como sempre faz, o fez por puro interesse próprio, $e é que me entendem.

A base é uma fábrica de craques, mas muito mais que isto é uma fábrica de dinheiro.

Se dez jogadores do sub-15 se destacam seis sobem para o sub-16, os outros quatro viraram dinheiro, e muito dinheiro.

Já adivinou pro bolso de quem né?

Ou você também acredita na história da carochinha de que o cargo de dirigente do seu clube não é remunerado e ele está lá por puro amor. Confesso que pela dor de cabeça que deve ser esta merda nem eu que sou fanático pra caralho arriscaria ter um ataque cardíaco não remunerado.

Não dá pra ter base nos moldes de hoje em dia, aos poucos infelizmente estou mudando minha opinião sobre o futebol de base de um clube. Se não é pra ter seriedade é melhor nem ter.

Não é mais fácil contratar uma duzia de olheiros bons e ficar roubando jogador da base de outros clubes por aí? É mais barato, fácil, lucrativo e dá menos dor de cabeça também. Sem falar que a chance de só sair jogador de bom nível aumenta demais, né?

O desgosto diminui também, pois o moleque não foi criado como uma jóia desde o dente de leite e simplesmente trocou o seu clube de coração pra jogar em algum lixo da Ucrânia por aí.

O futebol ainda respira, por aparelhos!

Quando me perguntaram, neste blog mesmo, quanto seria o resultado do jogo desta quinta-feira eu respondi que daria Palmeiras só pelo peso da camisa.

Palmeiras é gigante, têm uma camiseta muito mais pesada que o Coritiba e só por isto é sempre o favorito neste confronto.

Se me perguntarem novamente o resultado do próximo jogo responderei a mesma coisa, só que com uma ressalva: O Palmeiras só é gigante e favorito quando resolve jogar bola. Quando o time  brinca de ser pequeno vai ser sempre a piada do dia seguinte de corinthianos e são-paulinos.

Alguns vão dizer que hoje o Palmeiras é que foi apático e deixou o Coritiba jogar bola. Eu vou mais além, o Coritiba foi fantástico, mas não foi o Palmeiras que FOI apático, o Palmeiras É apático e isto há uns três anos, desde que erradamente expulsaram o Luxa a tapa.

Quem acha que estou sendo oportunista aqui lê aí.

Aqui, Aqui, Aqui, Aqui e mais um monte de link do blog onde eu supostamente “perseguia” o Palmeiras. Não é perseguição, a questão é que não dá pra falar bem quando você vê a bosta sendo feita.

Neste blog eu coleciono uma porção de xingamentos vindos do Parque Antártica só por falar o que todo mundo estava vendo, mas não queria aceitar por ser o Felipão, o técnico penta-campeão do mundo, blá blá blá, mi mi mi.

O Palmeira do Felipão não joga bola, nunca jogou, ele se esconde, morre de medo de perder. Têm muito mais medo de perder do que vontade de ganhar.

Este é o Palmeiras de Felipão e estes sempre foram os times do Felipão.

Lembra você lá palmeirense, puxa da memória, quando o Palmeiras era aquele timaço com Arce, Alex e Cia o Palmeiras dava show?

Só para lembrar aos palmeirenses mais novinhos, ou os que não conhecem porra nenhuma da história do próprio time que antes de ganhar a Libertadores o técnico que hoje é Mito, era vaiado em TODOS os jogos.

Quem conhece a torcida do Palmeiras sabe que ela é chata pra caralho, não basta ganhar, tem que dar show, tem que desfilar em campo, sempre foi assim e não é por acaso que em toda a sua história o Palmeiras só foi campeão quando tinha esquadras MUUIITOO superiores aos demais. Se não fosse MUUUIITOO superior o time de verde não levava o campeonato.

Sempre foi assim, quem tem dúvidas procure na história do seu próprio time.

Tirando a Libertadores do Felipão, o Palmeiras NUNCA, mas NUNCA ganhou nada jogando futebol covarde. Por isto a torcida ficou exigente e chata pra caralho. Quem vai no Palestra sabe melhor que eu.

Na Libertadores era o mesmo futebol terrível de hoje em dia, com a diferença de que naquela época tinha um (ou mais) craque para decidir na hora que o calo apertava. Naquele tempo o Palmeiras ganhava de um a zero suado do Vasco do Romário, do Corinthians do Marcelinho Carioca, do Boca Juniors.

Hoje o Palmeiras ganha suado do Noroeste.

Tá bom? Dá pra se iludir? Não dá, tem que ser muito inocente ou cego!

O futebol, ou melhor, o anti-futebol do time de hoje é a mesma porcaria daquele tempo. Só que hoje falta o Alex pra colocar a bola embaixo do pé e resolver quando o bixo pega.

Quem lê este blog sabe que odeio o futebol que o Felipão estabalece em seus times, assim como odeio o futebol do Muricy. Já falei isto Aqui, estes dois treinadores rasgam a história de uma nação inteira pra ganhar de uma a zero na sorte. Felipão quase conseguiu fazer isto com a nossa sagrada seleção de 2002, a diferença é que com Ronaldo, Rivaldo e Cia até eu sou campeão da Copa do Mundo jogando bonito.

Aí se o sujeito ganha retrancando tudo ele é gênio, se o sujeito perde fazendo a mesma coisa ele é renegado por uma nação inteira, Dunga pode falar com melhor propriedade.

O futebol da seleção do Dunga é exatamente o mesmo da seleção do Felipão, só que o Dunga não deu a sorte de ter um Ronaldo e um Rivaldo no time.

Dou risada com esta inversão de valores, Felipão virar gênio e Dunga virar burro nas mesmas circunstâncias. Se ganha ninguém é capaz de contestar e quem contesta é retardado, idiota ou invejoso. Se perde, ninguém contesta também, só que aí é pro lado ruim.

Hoje torci pelo Palmeiras, torço pelo time grande sempre, mas confesso que fiquei bem feliz com o sacode que o Coritiba passou no Palmeiras. Hoje o Coritiba nos ensinou que o futebol SEMPRE, supera a covardia!

Talvez com este sacode os palmeirenses consigam ver o delírio coletivo que entraram devido a lembrança boa do título da Libertadores, onde propositamente as vaias foram esquecidas.

O Coritiba deu uma aula ao Palmeiras, ao Felipão e aos palmeirenses que haviam esquecido sua história e o que é futebol há anos.

Saiu do lugar onde eu menos esperava a certeza que o futebol ainda respira, precisou um time nanico se portar como um gigante frente a um gigante brincando de ser nanico para eu ter certeza que nosso futebol ainda resiste. Infelizmente aqui no Brasil ele respira por aparelhos, mas ele ainda respira.

Torci pelo Palmeiras por ser grande, mas o que eu gosto mesmo é de futebol bem jogado e por isto o Coritiba ganhou minha atenção. Ensina a muito time e técnico o que é ter história para preservar.

Merece elogios, pois quando passa entre as marcas de cal, não se esconde. Faz do futebol puro futebol!

Vocês querem caça as bruxas?

Por favor palmeirense, não caia nesta palhaçada. Se realmente querem culpar alguém culpem a sí mesmos que permitiram que a covardia tomasse conta de seu time e ainda vibraram com isto.

Culpem a vocês que deram todo o respaldo para Felipão não dar uma cara, padrão e tática ao time. Isto em um ano.

Permitiram que sua história onde estão registradas algumas das maiores esquadras do Brasil se resumisse apenas a dar bica para frente.

Culpem a vocês mesmos que colocaram Kleber e Valdivia no mesmo status de Ademir da Guia, Alex, Djalma Santos e Rivaldo só por causa de algumas cotoveladas ou algumas palhaçadas pra zoar o rival.

Ídolo vira ídolo quando ele joga bola!

A mudança começa das arquibancadas, com o Muricy no São Paulo e no Fluminense foi assim.

Enquanto vocês não cobrarem que SEU time de futebol jogue apenas futebol, nada acontecerá.

Se esconder pelas beiradas é coisa de nanico, não de Palmeiras.

Só Twittando

Que sapeco ein!

Ética?

Quem acompanha este blog pode ter certeza de que esperei com muita paciência e ansiedade pelo momento deste post. Eu tinha total certeza que seria apenas questão de tempo escrevê-lo, e se eu fosse um pouco mais ousado e menos preguiçoso o teria deixado preparado no mesmo dia que escrevi este AQUI.

Como eu disse no post citado, mais uma vez o nosso amigo Muricy Ramalho deixa um time grande na pior situação possível, pela porta dos fundos e principalmente… como vítima perante a mídia que tanto o ama.

Alguns podem dizer que foi o São Paulo que mandou embora o enviado dos céus que fez do tricolor paulista tricampeão brasileiro. Eu prefiro pensar que o São Paulo mandou embora o sortudo que o clube fez tricampeão. Parece clichê de são paulino magoado esta afirmação, mas ela é tão verdade que ninguém para para pensar que com o mesmo time o tal do Ricardo Gomes chegou em terceiro lugar no brasileirão 2009. Lembrando que ele pegou o time na zona de rebaixamento e na reta final do campeonato perdeu de forma no mínimo estranha quatro jogadores títulares nos últimos três ou quatro jogos, e mesmo assim chegou em terceiro.

Isto faz do Ricardo Gomes um míto? Um ótimo técnico?

É também acho que não, mas se é para cobrar coerência, cadê a nossa imprensa esportiva tão coerente gritando o nome de Ricardo Gomes como técnico top brasileiro?

Deixa para lá.

O que importa é que depois de um tempinho de férias nosso amigo atravessa o muro justo no ano que o Palmeiras arma um dos times mais fortes da década. Converso com amigos palmeirenses dizendo que não ganhariam nada no ano, que seria apenas questão de tempo o Muricy acabar com o belo futebol do time de Diego Souza e Cleiton Xavier.

Mais uma vez Muricy me dá uma força e não me deixa falar besteira.

Depois de mais um tempo e mais uma férias o treineiro vai para o Fluminense e ganha mais um brasileiro no seu maior estilo: sorte, sem querer, futebolzinho ridículo e dependendo totalmente de um jogador da genialidade do Conca. Não vamos esquecer também que ele dependeu da boa vontate de outros time ao entregar o jogo por pura rivalidade.

Beleza, título fantástico para o Fluminense como clube, que precisava urgentemente de um título como eu escrevi AQUI, mas nessa hora vou contra toda a imprensa.

Se ganhar assim é ser o melhor técnico do país e merecer a seleção brasileira vou começar a torcer pela Alemanha já!

Isto é futebol de São Caetano, time pequeno, não de seleção brasileira, referência do melhor futebol já existente nesta terra. Se um dia a nossa sagrada seleção de futebol for exposta a esta aberração inventada pelo São Paulo Futebol Clube eu juro que abandono a Sagrada Amarela por tempo determinado.

Agora eu lhes pergunto caros leitores, o que as três saídas tiveram em comum?

Nosso amigo treineiro e rei da ética, que adora dar exemplo para os filhos, sempre fez questão de falar muito mal dos times que pagaram seu salário no mês anterior.

Quando saiu do São Paulo e foi para o Palmeiras dizia que no Palmeiras o ambiente era ótimo, não tinha pressão, que era uma família e mais um monte de desculpas. Quando saiu do Palmeiras disse que tinha racha interno, jogadores não gostavam dele, diretoria pressionava e mais um monte de desculpas. Ao sair do Fluminense ele extrapola na falta de respeito ao time que pagava seu salário uma semana antes.

Isto é ética?

Isto para mim é inventar desculpa para a própria incompetência e ainda sair de vítima para a imprensa que o adora.

Há, vamos só lembrar de um detalhe: tanto no SPFC, Palmeiras e no Fluminense o nosso amigo aí tinha sempre o melhor elenco do Brasil, então não dá para falar que ele estava tirando leite de pedra como o Felipão está fazendo no mesmo estilo.

Muricy Ramalho é um cara inteligente, sabia que se acertasse com o Santos exatamente na mesma semana que deixou o Fluminense na mão teria vomitado em cima de toda palhaçada “ética” que ele tanto adora vender. Então ele espera passar três semanas, aproveita que é Brasil e que brasileiro tem memória curta e pode feliz da vida dizer que foi ético e que nem pensava na hipótese de ir para o Santos quando saiu do Fluminense.

Entrevista tão previsível quanto o futebol de seus times.

Daqui a mais um mês quando ele conseguir a proeza de deixar dois times a beira da desqualificação na mesma Libertadores vai dizer que Libertadores é mais sorte que competência, que o Santos teve azar, vai tentar colocar a culpa em mais algum costas largas e nós trouxas que somos vamos engolir tudo.

Mais uma vez tão previsível quanto seu futebol.

Confesso que a única coisa que me deixa ansioso para saber é a nova desculpa a ser inventada daqui a seis meses, porque dizer que o Fluminense não tem estrutura soa meio estranho afinal seis meses antes, quando o time estava sendo campeão brasileiro, a estrutura era a mesma. Correto?

O mais nojento é ver toda a imprensa colocando o Muricy no Santos como se este fosse a única solução do Peixe se este quiser ganhar alguma coisa este ano. De alguma forma muito estranha os valores se inverteram e os craques Neymar, Ganso e Elano já não representam mais nada.

Chega a ser uma inversão de valores tão ridícula quanto dizer que sem o Muricy Ramalho o São Paulo não teria sido tricampeão brasileiro e o Fluminense com Conca, Deco, Fred, Diguinho, Emerson e mais uma infinidade de jogadores de alto nível não teria ganho o BR 2010.

Arrisco dizer que se o time do ano passado tivesse nas mãos do Luxemburgo, por exemplo, o mesmo teria ganho com folga, de forma empolgante e sem asterísco nenhum. Assim como a seleção palmeirense de 2008 que se tivesse ficado na mão do Luxa teria sido campeã umas quatro rodadas antes.

Enfim.

Só resta agora é lamentar mais um grande time que vai perder seu futebol gradativamente e seus craques, que uma hora não vão mais conseguir fazer diferença, nos balões para a área vão acaber se desvalorizando, mas tudo bem, no fim do ano eles ganham mais um brasileiro sem querer e toda nossa mídia esquece o vexame inédito de foder dois times na mesma competição.

Mas é claro que agora o nosso Fluzão, sem o pseudo-melhor-técnico/marketeiro-da-humanidade, vai se classificar e vamos fazer questão de eliminar o Santos em algum mata-mata pela frente :).

Confesso que depois de toda batalha do último jogo e batalha para classificação, se isto acontecer o tricolor carioca rouba mais um espaço enorme dentro deste coração paulista.

Vai meu Fluzão!

Adendo:

Se o parceiro Luiz Ribeiro me permite gostaria de destacar este comentário fantástico que ele deixou logo abaixo:

Com relação ao tema principal, ética: correta a análise, o Muricy comportou-se como um diretor de uma empresa privada que pede demissão quando percebe que o barco vai afundar, só para preservar seu curriculum.
Muricy não é ruim, mas muito limitado. Eficiente, ganha títulos em campeonatos que exigem regularidade e não estratégia. Baseia seu trabalho em um pilar: reduzir todas as formas de risco. Usa estatísticas como bússola. Inibe fortemente jogadores talentosos de arriscarem jogadas de efeito, pois podem representar riscos para o time quando as jogadas não derem certo. Fortalece a marcação e a defesa em detrimento das jogadas de ataque, lançando 300 bolas por jogo na área, pois sabe que estatisticamente uma hora ela entra no gol. Usa garotos da base somente quando não há absolutamente outra alternativa, preferindo jogadores experientes já que, mesmo sendo inferiores tecnicamente a alguma jovem promessa, têm seu comportamento totalmente conhecido e previsto
Apesar de volta e meia alardear que foi pupilo de Telê Santana, nada tem do mestre. Telê era estratégico e visionário. Muricy é estatístico. A tão comentada disciplina que exige dos jogadores é distinta. Telê aplicava a disciplina de forma paternal, corretiva, construtiva. Muricy mais parece um feitor. Telê era ídolo de seus jogadores. Muricy é o chato.
Também acho que não vai dar certo no Santos, um time com características de risco,de improviso, de talento, vontade de fazer gols e mais gols, mas com defesa fraca. Vai reduzir o campo de ação do Neymar e do Ganso, e sobressair o Elano, que será a figura mais importante do seu time.”

Falou muito melhor que eu