Uma folga para o professor

Alguns treineiros tem a tendência natural de abraçar a crise e aliviar um pouco a barra do time. Na verdade nossa cultura burra busca sempre um bode expiatório ao invés de perder alguns minutos pensando na raíz real do problema. Na prática derrubam-se algumas cabeças e isenta-se as principais figuras (aqueles que jogam, tá?). Figuras como Felipão e Luxemburgo se expôem, a final, tem ao que provar, deles se espera cada vez mais, e os dois sempre acabam dando algumas satisfações que de fato devem, mas não sozinhos.

Se o seu time não tem jogadas, padrão tático, escalação ou sequencia, você coloca na conta do técnico.

O Palmeiras de hoje tem certo padrão tático, sequencia, e é relativamente bem escalado. Pergunto ao torcedor mais corneta e amendoim que seja: O que você mudaria na escalação atual?

Você pensa, pensa, faz uma ou duas variações e tals, mas não sai muito da escalação de hoje.

Como eu já disse neste blog, não sou um fã do Luiz Felipe, na verdade o acho bem limitado, mas quando o seu time ganha de um a zero e joga praticamente quarenta e cinco minutos com dois jogadores a mais e ainda toma o empate você não pode por nada neste mundo coloca na conta do treinador.

Assistindo ao jogo eu ví um Felipão se esguelando com o time para que este jogue para frente e meia dúzia de zagueiros e volantes tocando a bola de lado como se vestissem a camisa do Quinze de Piracicaba.

Não dá para culpar o treinador, o cara colocou o time pra frente, meteu o Maikon Leite pela direita e metade do time acha que é justo tocar a bola em direção a retaguarda.

Eu pouco assisto aos jogos do Palmeiras, pra dizer a verdade assisti este jogo e um contra o Atlético Paranaense em Curitiba e nos dois o Palmeiras foi motivo de risos. Lá no sul o Palmeiras ganhava de dois a um se não me engano, tocando bola tranquilamente, e em um segundo os jogadores conseguem a proeza de fazer um pênalti contra.

Isto não vai pra conta do técnico, o povo se esquece que quem corre são os jogadores e quem toma um empate jogando contra nove jogadores também são eles. Não me levem a mal, perder o Atlético Goianeense já é feio, mas acontece, agora perder contra nove jogadores que somados não recebem o salário do Kleber beira o surreal.

Sinceramente, já não sei mais o que pensar do Palmeiras, o time não é tão ruim quanto pregam, nem tão bom, só consigo pensar que estão tentando derrubar o treinador e treineiros como o Felipão jogam em cima da raça e do comprometimento do time, brigas com a torcida e com a diretoria engrandecem treinadores como ele, mas não fechar com o time e perder este trunfo psicológico que o acompanha sua carreira inteira o torna um treinador mediano para ruim, pois só de técnica ele não sobrevive.

Realmente não sei o que pensar, se o Palmeiras realmente chegou no ponto em que a diretoria e o timem querem derrubar simplesmente o maior ícone palestrino dos últimos vinte anos é porque está na hora de fechar o departamento de futebol e investir em basquete, vôlei, carnaval ou qualquer coisa assim pois a vergonha na cara já sumiu faz tempo.

É macho mesmo!!

Quando o Felipão chegou no Palmeiras fiz questão fazer um extenso texto neste blog com minha opinião pessoal sobre o treinador. Coloquei neste minhas impressões dos tempos de Palmeiras, Cruzeiro, Portugal e um pouquinho de Chelsea e o resultado foi esse link aqui. Quem não tiver lido dê uma olhadinha que nele explico certinho minha linha de raciocínio.

Quem lê meu blog com certa regularidade ou conhece minhas preferências esportivas sabe que não gosto técnicamente do Felipão. Acho o treineiro taticamente previsível e fraquíssimo. Quando ele não opta pelo esquema Muricy com bicuda para o mato e bola parada nos pés do Arce ou do Marcos Assunção ele escolhe o esquema com um atacante e dois pontas, mas sempre dando bicuda para frente. O resultado disso são os incontáveis empates e vitórias de meio a zero sobre o seu comando. Futebol que é bom nada.

Imagino que de certa forma tenha ficado bem óbvio que este texto não é nada daqueles tipos: “blá, blá, blá, Quando Felipão chegou eu pensava assim, mas hoje ele me fez mudar completamente de opinião e eu o acho o melhor treinador de todos os tempos e blá, blá, blá e blá, blá blá.”

Muito pelo contrário, continuo achando o Felipão técnicamente ridículo, mas neste último ano de Palmeiras o Gauchão ganhou completamente minha admiração.

Felipão perdeu o apoio da diretoria anterior (que já não valia muita coisa), é completamente contestado pela diretoria atual, que o acha caro demais, utilizado como escudo declarado contra a torcida e herdou um Palmeiras desorganizado dentro e fora dos gramados com uma nação mais chata que o natural em vista dos fracassos das últimas décadas, principalmente de 2008 com o Muricy.

E mesmo assim o Felipão não larga o osso.

Metade destes problemas já seriam suficientes para mandar um monte de pseudo-treineiro pro Qatar ganhar os petro-dólares, ou para qualquer outro time com melhor perspectiva. Conheco um técnico que saiu de um time porque supostamente haviam ratos nos vestiários :).

Felipão não é burro, ele sabe que só não é demitido porque é o único escudo da diretoria contra a torcida. Sabe que o Palmeiras atual não tem condições de brigar por nada e que politicamente a situação tente a explodir e mesmo assim ele está lá, dando esporro na diretoria, no time, na torcida e em quem mais ele achar que deve. Por não ser burro ele com certeza sabe que se ele não conseguir dar jeito no Palmeiras ninguém dá.

Quando Felipão veio para o Verdão eu conversei com um grande amigo Palestrino. Ambos pensamos relativamente parecido e sabemos que o professor não é aquele primor técnico, porém para a instituição Palmeiras ele é de longe a melhor opção que existe.

Os problemas do Palmeiras não estão dentro de campo, se estivessem o Luxa com certeza teria dado jeito na sua última passagem por lá. O pior é que ele quase conseguiu, mas esbarrou em problemas que vão muito além de esquema tático e tudo mais. Luxa caiu quando a diretoria e a torcida revolveram queimá-lo vivo por causa de uns dois ou três empates, depois do único título do Palmeiras nos últimos dez anos.

Para suportar este tipo de situação só o Luiz Felipe, isto é incontestável, por lá, ele é incontestável.

Hoje Scolari enfrenta um dos piores momentos de sua passagem pelo Palmeiras. Os resultados no campo não aparecem, a diretoria joga contra, a torcida cisma em idolatrar jogadores que mais atrapalham do que ajudam e pegar jogadores que estão resolvendo como Luan e Marcos Assunção para cristo e mesmo assim o Gaúcho afirma que não sai do Palmeiras por nada.

É por amor ao Palmeiras, com certeza também é, mas vejo isto como algo que vai além. O mesmo motivo que impedia o treinador de vir há uns cinco anos atrás quando a torcida clamava sua volta o impede de ir embora.

O homem tem palavra e acima de tudo ele é macho pra caralho de segurar a bronca sozinho e infelizmente para o Palmeiras neste momento ele segue cada vez mais sozinho e é justamente por isto que ele ganha cada vez mais meu respeito e admiração.

Ai não né professor

Não é segredo para os que já leram meus textos que não sou lá chegado ao trabalho de Luiz Felipe Scolari, como escrevi aqui.

Não sou chegado no trabalho dele no Palmeiras, no Grêmio, na Seleção e em lugar nenhum. Acontece que no Palmeiras ele está conseguindo se superar, pro lado negativo.

Não vou citar os erros táticos e de futebol que já comentei em outros posts.

O treinador definiu com os jogadores que não devem dar entrevistas a imprensa nos jogos com punição de cinco mil reais para quem descumprir a regra.

Tudo bem, ele é o chefe e as regras são deles, se isto ajuda ou atrapalha ele deve saber melhor que eu.

Esta regra surgiu quando o Kleber Gladiador falou mal do seu sistema defensivo na imprensa. De fato isto é terrível, nunca concordei com este tipo de atitude, inclusive sempre critiquei o goleiro Marcos por criticar seu time inteiro nas derrotas e muitas vezes tentando tirar o foco de um erro cometido por ele mesmo com isto.

Ou não se lembram de Palmeiras e Grêmio em 2008 no segundo turno do brasileiro?

Na minha opinião dar uma dura nos jogadores pela lavação de roupa suja na imprensa é válido.

Estabelecer suas regras com multas, na minha opinião, é exagerado porém também é válido afinal, quando seu chefe inventa alguma regra você não tem o que fazer… você acata.

Mas o problema é o Felipão com todo este papinho de disciplinador, depois do jogo ir lá na imprensa e arrebentar com seus comandados.

Ele disse coisas absurdas… Dizer que tem jogadores que não são homens, que não merecem vestir a camisa do Palmeiras e que o time comete erros de casados e solteiros.

Vejam, não estou afirmando que isto é mentira, talvez tudo isto seja verdade, mas com que cara ele vai se apresentar para os seus comandados agora?

Como os jogadores podem jogar por um cara que os apunhala desta forma?

Falar isto no treino, no vestiário é uma coisa, mas gritar isto na TV para o mundo inteiro ouvir. Inconcebível.

E o pior é que os jogadores são sim culpados por algumas coisas, mas consigo citar no mínimo uns quatro jogos de cabeça que o Palmeiras perdeu o jogo pelo lixo de comando deste homem e suas alterações.

O que ele está fazendo é mudar o foco dos seus fracassos, e isto, como ele mesmo disse não é atitude de homem.

Eu realmente acho que o Felipão está abusando MUITO do crédito que a torcida e diretoria lhe deram quando o trouxeram com status de Deus.

E acho mesmo que o Palmeiras deveria começar a trata-lo como  mais um e não como mito.

Luiz Felipe Scolari, Mito ou Mais Um?

Basicamente este post tem como idéia principal apenas propor uma abertura de mente, tentar pensar um pouco mais além do que a TV, a história e todos nos pregram.

Desde a saída de Felipão de times como Grêmio, Palmeiras e Cruzeiro estes se tornaram espécies de viúvas do Big Phill. Entre estes, principalmente a torcida palmeirense. Cada alviverde desde que nasce, aprende a idolatrar este técnico, o que é perfeitamente natural pois conseguiu ótimos resultados lá.

Assim como ótimos resultados lá ele também conseguiu o trunfo máximo do futebol, foi campeão da copa do mundo com o Brasil.

De fato, foram ótimos resultados.

Incontestáveis eu diria mas vamos olhar com mais calma sobre a carreira deste sujeito.

Felipão iniciu sua carreira em 82 no CSA, de lá até 91 ele treinou times regionais conseguindo seus trunfos e sendo regionalmente reconhecido. Em 91 foi reconhecido nacionalmente ao levar o Criciúma ao seu título inédito da Copa do Brasil.

Nacionalmente reconhecido foi ao Grêmio, onde ganhou a Libertadores da América de 95.

Basicamente o time do Grêmio era composto por: Danrlei, Arce, Rivarola, Adílson e Roger, Dinho, Luís Carlos Goiano, Arilson e Carlos Miguel, Paulo Nunes e Jardel.

Nesta Libertadores as chaves foram contra: Olimpia, Palmeiras, Emelec e Atlético Nacional.

Eram times em formação, como Palmeiras e Emelec. A grande final também não foi num nível tão alto pois o Nacional, campeão colombiano, não tinha um nível maior que um campeonato Paulista.

Mais uma vez gostaria de frisar que o Grêmio tinha um time muito competitivo pra competição. Na minha opinião Danrlei, Arse, Jardel e Paulo Nunes estavam em ótima fase nesta época, tanto que alguns seguiram Felipão ao Palmeiras.

Nesta mesma época Felipão era muito criticado por seu estilo retranqueiro e de incentivo à violência.

Felipão então volta ao Palmeiras em 97, depois de uma passagem apagada pelo Japão.

No Palmeiras, em virtuda de uma parceria com a Parmalat montou um time vencedor com figuras como o próprio Arse, Júnior, Júnior Baiano e muitas outras estrelas na época, entre a principal, Alex, um dos maiores meio campo que ví jogar.

A Libertadores de 99 sim, foi uma Libertadores em alto nível com jogos que até hoje são lembrados como contra o Corinthians.

Vale lembrar que o Palmeira tinha o maior time da época. Jogadores a nível de seleção e grandes clubes da Europa. Mesmo com este time muito superior à outros da competição travou grandes batalhas no campo.

Time este do Palmeiras que no Brasil até hoje ainda não ví uma reunião tão grande de jogadores tão bons.

A partir daí foi ao Cruzeiro com uma passagem apagada, mas é importante lembrar que o craque Alex o seguiu ao Palestra de Minas. Então foi para a seleção Brasileira onde foi campeão.

Vale dizer que a seleção de Felipão era uma das melhores seleções que já ví. Com a sorte de poder contar com diversos craques em sua melhor forma como Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos, Cafu e ótimos jogadores de alto nível. Entre eles o Luizão também em ótima fase.

Felipão vai a Portugal e tem o crédito unir um time que estava rachado, porém cheio de craques como Figo e Deco.

Em Portugal Felipão consegue resultados como Vice-Campeão da Euro e Quarto Lugar na Copa de 2006.

A partir daí Felipão colecionou alguns fracassos no Chelsea e no Oriente até voltar ao Palmeiras.

Palmeiras este que até a data deste post não conseguiu sua primeira vitória comandando o time por quatro rodadas se não me engano.

Meu objetivo até aqui não é traçar uma biografia do Felipão. Esta pode ser encontrada em fontes mais detalhadas na internet. O objetivo aqui é apenas mostrar as grandes conquistas do professor e frisar alguns pontos para iniciar a discussão.

Veja, não quero afirmar nada e muito menos impor minha opinião. A idéia é apenas mostrar uma outra visão ao Big Phill.

Desde que Felipão venceu a copa do mundo ele meio que se tornou uma unanimidade e referência de técnico. Tanto que grupos de Palmeirenses o chamam de Deus. Muito mais que apenas palmeirenses o Brasil inteiro o trata como o maior técnico que já andou por estas terras. Junto com esta grande fama ele acabou se tornando livre de críticas como tudo que marca uma geração.

Gostaria de propor uma análise mais criteriosa sobre Felipão.

Desde os tempos de Grêmio vemos nos times dele a mesma característica. Uma marcação forte, muita retranca e gols vindos de bolas alçadas ou principalmente nos contra-ataques rápidos. Excessão à regra era o Palmeiras e a Seleção onde os laterais eram mais usados, porém acredito que isto seja muito mais pela qualidade dos laterais (craques como Cafu, Roberto e Júnior) que por uma estratégia do técnico, pois na carreira vitoriosa do técnico isto não acontece sempre, mas mesmo nestes dois times o contra-ataque era uma constante.

O que podemos analisar sobre os times de Felipão é que os mesmos não permitem uma analise técnica criteriosa pois todos apresentam os elementos acima descritos é impossível ver algo diferente. Em sua carreira não dá pra afirmar o Felipão como um grande estrategista.

Se analisarmos com mais calma também veremos que em seus sucessos Felipão sempre lidou com craques. Não me lembro dele atingindo o sucesso sem no mínimo uns dois craques em campo.

Defendo que no Grêmio ele tinha meio time acima da média de seus campeonatos, no Palmeiras esta diferença se faz ainda mais presente onde ele tinha os maiores craques em quase todas as posições. Na seleção este padrão foi ao limite máximo. Ronaldo atingiu sua melhor fase nesta copa, o mesmo com Roberto Carlos e Rivaldo.

Ao professor todos os seus méritos.

Pesquisando ví que todos os jogadores que passaram por suas mãos afirmaram que Felipão é um motivador nato, um lider. Alguns vídeos no youtube mostram suas preleções e de fato são incríveis. O professor realmente mexe com a cabeça dos jogadores. Porém no futebol, só isto não basta, caso contrário contrataríamos psicólogos para o cargo.

A discussão está lançada, Felipão é ou não tudo isto que pregam?

Minha humilde opinião é que o professor é um treinador muito do mediano. No Brasil temos muitos outros melhores que ele no cargo, porém é fato que com muita inteligência, por coincidência ou não, ele não se mete nas enrascadas que Wanderley Luxemburgo se mete por exemplo. Quando Felipão vai para um time acredito que ele tenha toda a certeza que este time tem dinheiro para contratar grandes jogadores acima da média nacional como ficou bem claro em sua volta ao Palmeiras. Ao contrário do Luxa que vem pegando algumas bombas como o Atlético por exemplo.

Motivador nato sim, mas técnica e táticamente que é o que importa no futebol deixa a desejar.

Não é coincidência, este post surge justamente no dia que o Palmeiras termina com um empate com gosto de derrota contra o Goias. Foi um jogo fácil, onde nos contra-ataques o Palmeiras poderia vencer com grande vantagem porém se complicou devido a erros seguidos do professor.

E aí, Felipão é ou não toda esta coca-cola que pregam aos ventos?