Existem clássicos e clássicos

Sou são-paulino de nascença e fanático. Muito mais torcedor do que alguns outros são-paulinos pensam que sou quando conversam comigo. Como torcedor fanático aprendi desde pequeno a respeitar um clássico como aquele jogo que você não fala, não ouve e não confraterniza… Não era um dia de futebol, era um dia de clássico!

Mais novo eu tinha o clássico como aquele dia que você não respira direito e a barriga começa a apertar umas cinco horas antes do jogo. Não existe rival, não existe amigo nem mais nada. Sou eu e meu time, e os poucos que ultrapassavam esta barreira não eram recebidos da maneira mais cortês.

Finalmente eu cresci e deixei de ser burro!

Os clássicos continuaram não sendo um dia comum de futebol, se tornaram muito mais, viraram praticamente uma ode ao futebol. Esta maturidade me proporcionou um privilégio que poucos têm aqui no Brasil: passei a apreciar um Cruzeiro e Galo com o mesmo prazer que eu assistia meu time a jogar contra o Corinthians. Acreditem, continuo amando meu time com a mesma intensidade de sempre, enganam-se os que pensam que vesti qualquer tipo de casaca. A única diferença é que quando menor eu nunca gostei de futebol, eu gostava de São Paulo Futebol Clube, agora, eu amo o São Paulo, mas aprendi a ver a beleza do futebol brasileiro. E admito que estou muito melhor assim.

Dei voltas e voltas neste resumo futebolístico da minha vida apenas para compartilhar com vocês que não suporto mais os clássicos do estado de  São Paulo. Não os suporto porque os mesmos morreram há alguns bons anos.

Neste Domingo eu tinha uma escolha centenária para fazer, assistir há um tradicionalíssimo Santos e Palmeiras ou a um mágico Fla-Flu? Escolha mais do que fácil, admito. Fla-Flu sempre!

Os clássicos do estado de São Paulo são uma ofensa ao futebol mundial, são ridículos. Um jogo com bicuda, trombada, agressão e covardia que nem Muricy, Felipão e Parreira juntos conseguem colocar algum tipo de defeito. Não assisto a um clássico paulista há um bom tempo, mas garanto que o leitor que procurar em qualquer arquivo de internet encontrará escalações com um time inteiro de zagueiros e volantes ao somar os dois times.

Não assisti ao jogo de hoje entre Santos e Palmeiras, mas pelo que ouvi falar devia haver uns quinze volantes e zagueiros em campo, seis só do lado que joga de verde. Me recuso a comentar qualquer jogo deste nível, se eu quiser ver pancadaria vou para o MMA, se eu quiser ver um jogo truncado cheio de pancadaria existem opções melhores que o futebol.

Me pergunto constantemente quando e como foi que isto aconteceu? Quando o futebol paulista se esqueceu do que representa e o carioca retomou suas origens?

Tenho certeza que parte deste lixo futebolístico é um reflexo cultural. O povo carioca segue como sempre irreverente, arrojado, e sempre priorizando a individualidade. O paulista, chato e pedante de nascensa, viu no futebol pragmático a oportunidade de chegar a lugar nenhum. Não entendo um povo que pensa que atingirá a hegemonia de qualquer esporte ao deixar de pratica-lo.

Hoje o Brasil assistiu um à um Flamengo e Fluminense digno de futebol brasileiro, um jogão, o paulista que resolveu assistir um clássico da casa assistiu a um jogo ridículo, como o último São Paulo e Corinthians e todos os outros clássicos que consigo me lembrar.

Enfim, eu realmente sinto por escrever estas palavras e por ter este tipo de sentimento, mas finalmente esta gente pragmática, chata e arrogante conseguiu destruir o que tinhamos de melhor neste estado.

Destruíram homeopaticamente. Primeiro proibindo nossas bandeiras, agora tentando destruir as organizadas, preferindo os volantes aos atacantes, o um a zero ao cinco a quatro e tudo o que faz do futebol a maior invenção do homem.

Nosso povo hipócrita está quase vencendo, e em breve seremos perfeitos babacas que torcem sentados em nossas super tecnológicas e elitistas. Ficaremos orgulhosos em pagar cento e oitenta reais o ingresso e simplesmente aplaudiremos um lindo gol bicicleta como bons Europeus sem identidade que nos esforçamos para ser.

As vezes eu realmente espero que isto aconteça pois então, NÓS, o povo aqui de São Paulo, teremos tudo que merecemos. Um rio cheio de merda e um futebol que anda tanto quanto nosso trânsito. Aí talvez pararemos de nos preocupar com bobagens como futebol e focaremos no trabalho, afinal, somos paulistas, a locomotiva que move este país e carrega o resto do Brasil nas costas não é?

PS.: Vomitei demais ao escrever este texto, acho que a parte brasileira que vive em mim não suporta mais o paulistinha arrogante que precisei acordar para escrever este último parágrafo, mas garanto a todos vocês que farei o máximo para corrigir este defeito de minha personalidade.

Viva o Fla-Flu, o clássico mais bonito do mundo!

E aos queridos amigos tricolores, não foi roubado como disseram que foi. Houveram duas bicudas de fora da área lindas, que nenhuma tática ou técnica consegue parar.

O Flu jogou demais e está jogando demais e tem tudo para continuar sua sequencia.

Anúncios

É um Deus!

Porra não tem mais o que falar, sou limitado demais pra isto!

Que assim seja.

Graças a Deus.

Amém.

Brigando com a arma

Acho impressionante o comodismo das autoridades brasileiras quando se deparam com alguma questão que expõe sua incompetência. Este é só mais um daqueles assuntos da sociedade que se estendem e vão parar para dentro das quatro linhas de cal do futebol.

No Brasil, se dez por cento da população consome bebidas alcoólicas, o governo retira o direito de outros noventa por cento de beber uma quantia razoável de álcool e ir para a casa na segurança e comodismo de seu automóvel. No fim das contas fodemos a maior parte da população apenas porque somos incapazes de punir com rigor e controlar a minoria foco do problema. O que me deixa mais intrigado é que pessoas que fazem parte dos noventa batem palmas para esta atitude ditatorialista afirmando ser a melhor e única solução. E de tão hipócritas que são conseguem discutir e sustentar esta opinião em uma mesa de bar prestar a voltar para casa dirigindo seu carrinho.

Lindo!

O brasileiro tem uma tendência natural tão grande a hipocrisia que deveria até ser motivo de estudo.

Se a violência cresce retiramos o direito do cidadão de portar uma arma.

Para cuidar da saúde da população proibimos todos de fumarem onde bem entenderem.

Antes de qualquer coisa, não sou fumante, alcoólatra e nem colecionador de armas, só sou consciente o suficiente a ponto de reivindicar meus direitos e saber que se eu quiser começar a fumar daqui a cinco minutos no Buteco do Zóio (bar de um grande amigo meu aqui do lado de casa), não farei o meu parceiro ser multado, mesmo estando em um estabelecimento privado com a condescendência do dono.

Mais uma vez os brasileirinhos classe média padrão adoraram a medida ditatorialista, afinal, diferente de mim são todos conscientes demais para fumar, e óbviamente acham um hábito nojento. E claro, como bons classe média padrão só conseguem olhar para o próprio umbigo.

Enfim, eu poderia lhes citar milhares de tópicos como estes que fogem do senso comum e acabam se perdendo no limbo da hipocrisia brasileira. Repudiamos o aborto, as drogas, mas todos já conhecemos histórias de mulheres que se feriram ou morreram em abortos clandestinos, todos temos aquele amiguinho que sempre tem aquela “bucha” ou “pino” quando requisitado. De exemplos este assunto está cheio, mas como é de costume neste blog vou me ater ao futebol.

Recentemente a Macha Alviverde foi proibida de ir aos estádios. Mais uma vez na incapacidade de controlar dez por cento fodemos noventa.

Gostariam de saber minha opinião sobre as torcidas organizadas de um modo geral? Adoro, todas!

Acho as torcidas organizadas a essência do futebol, elas são no mínimo uns sessenta por cento do espetáculo. Vocês já viram torcedor comum abrir mosaico, bandeira, cantar em coro para o time? Resumindo, vocês já viram o torcedor comum ser o décimo segundo jogador do time em campo?

Eu lhes respondo, nunca!

Torcedor comum torce, faz sua festinha e tudo mais, mas o que dá a beleza ao espetáculo é a organização (não me diga). A ralação da galera que ensaia até de madrugada antes de jogo e viaja metade do Brasil atrás do time.

O mesmo torcedor comum que quer o fim das organizadas é aquele que fica encantado com o bandeirão, se empolga no coro, e adora ver o efeito das bexigas.

Imagino que o tocedor que quer o fim  das organizadas tenha a consciência que o Palmeiras jogará as moscas metade dos seus jogos a partir de agora. Não é só o Palmeiras não, por mais que eu não goste da Independente eu reconheço que se não fosse ela o São Paulo jogaria para duzentas pessoas metade dos seus jogos. Achar que é o torcedor comum que lota estádio e dá show é lindo, mas não é a realidade, torcedor comum só vai na boa. A própria torcida corintiana, tão fiel que é, se você tirar as organizadas você tira uns setenta por cento do publico alvinegro.

A FPF baniu a organizada palmeirense dos estádios? A população está satisfeita com isto? Perfeito. Então que TODAS as organizadas do Brasil sofram as conseqüências. A final, são todas organizadas, não são? O problema não é este?

Mais uma vez o Estado passa um recibo de incompetência, e em função de dez por cento de pessoas ruins dentro de uma organizada destroem o direito de noventa por cento de palmeirenses de ir ao estádio abrir o bandeirão do seu time. E mais uma vez a população adora e se dá por satisfeita sem notar que mais dia ou menos dia serão os próximos a perderem seus direitos!

Tão hipócrita, interessante e acima de tudo tão brasileiro!

São Paulo e Palmeiras no Brasileirão 2011

Eu realmente gostaria de ter o que comentar sobre este Choque-Rei, tem jornalista que exalta a raça, aplicação defensiva e tudo mais, mas sinceramente não exalto porra nenhuma.

Se não fosse o golaço do Dagoberto que fez valer o ingresso das duas torcidas, até dos palmeirenses mais chatos que jamais reconhecerão o golaço, os dois times deveriam se juntar e restituir com juros a meia duzia de gatos pingados que apareceram.

O São Paulo segue alternando alguns poucos momentos de técnica e individualismo com completa inoperância do time inteiro, o Palmeiras sempre naquele chove e não molha há uns três anos. Bicuda do Marcos Assunção pra área e de cada duzentas bolas uma entra.

Duas escalações ridiculamente defensivas cagando de medo de ganhar alguma coisa. Felipão teve a capacidade de fazer marcação indivídual nos grandes Carlinhos Paraíba e Welington e o Adilson com três atacantes contra um time que não chega na area pelo chão.

Quando digo que não dá pra comentar não dá mesmo!

PS.: Pra quem quiser conferir aí este post saí aos trinta do segundo tempo se alguma coisa mudar me avisa aí!

A metamorfose ambulante

O São Paulo 2011 é mais um daqueles times que você não pode confiar e nem colocar sua mão no fogo por ele, pelo menos até ver os primeiros dez minutos de jogo.

Não confundam. Está longe de ser a tortura de 2007, 2008 e 2009, muito pelo contrário, o time agride e cria boas jogadas, mas parece que é só joga quando alguém lá dentro tem vontade. O mesmo time que goleia o Coxa quarenta em cinco minutos se esquece de jogar o segundo tempo e toma um sufoco inimaginável. O apático time do primeiro tempo do Avaí dá uma melhoradinha e toma o jogo em suas mãos sem qualquer dificuldade.

Enfim, neste sábado deu para notar exatamente isto.

O time é relativamente bom, nada maravilhoso, só que para ele se transformar de aberração para um time competitivo a questão é completamente psicológica. Não dá para confiar e nem dizer o que o time irá fazer, afinal, não dá pra dizer se vai entrar com vontade para golear um bom time como o Coritiba em 45 minutos ou apenas andar em campo. Não gosto do Adilson, o acho ruim, e nem tão preparado para retirar este time do ostracismo, mas se chegamos ao ponto de jogador precisar de babá para jogar bola, então para o mundo que eu quero descer.

O São Paulo segue lá em cima, na eterna indecisão se briga pela Libertadores, Sulamericana ou resolve tentar ser campeão mesmo. Seja qual for à decisão é importante que a mesma aconteça logo e que a postura do time mude. A concorrência este ano está boa demais no topo de cima e quanto mais acomodado o time ficar mais fácil será para entrar no grupo do nada ali entre o 8º e 12º.

Sobre o Atlético eu só acho relevante comentar o puta trabalho que o Renato está fazendo neste time. Sempre fui fanzaço do cara e conforme o tempo passa vejo o quão competente ele é. Ele só não tem marketing.

Catadão do futebol e Viva a Celeste!

Neste meu conturbado fim de semana e semana tive dificuldade para acompanhar o futebol, estou trabalhando demais e infelizmente escrevendo de menos, mea-culpa, mas sempre perto da TV consegui dar uma bizulhada em alguns jogos o suficiente para não deixar passar em branco alguns pontos, infelizmente não o necessário para comentar qualquer coisa de futebol.

Pelo pouco que assistí ví que o Tricolor Paulista perdeu o jogo para a covardia de seu mais novo estagiário que por algum motivo acha que precisa de três volantes para marcar o gigante Atlético Goianeense.

Pelo pouco que ví lá no Rio de Janeiro ví que o Tricolor Carioca pouco jogou futebol, o Palmeiras conseguiu jogar menos ainda, mesmo com o idolatrado craque que faz exame fora do clube para “provar” que está machucando, desmerecendo os médicos do clube e o próprio clube que ainda dá aumento pra quem faz exame na coxa fora do clube. Ah, a torcida ainda celebra ele em campo!

Ví o suficiente para não perder o golaço do garoto cruzeirense.

E não pude perder por nada o baile da Gigante Celeste Olímpica de Suares, Forlán e Lugano.

Parabéns Celeste.

Corrigindo um erro com outro

Estava mais do que na cara que a diretoria são-paulina iria fazer outra merda no comando do tricolor. No post de queda do Carpegiani eu meio que previa, tarefa nada difícil com Juvenal Juvência no comando uma vez que é só fazer a pior opção de todas. A diferença é que eu chutei o Celso Roth, pois não achei que a diretoria seria tão cara de pau.

Adilson Baptista sabe que ele não era nem a terceira opção, os jogadores sabem e os torcedores sabem também. Todos sabemos que é um técnico com quatro demissões em menos de um ano e outros péssimos trabalhos.

Odeio julgar um profissional por uma infeliz passagem, isto acontece, é natural, mas quando um sujeito é demitido quatro vezes em menos de um ano em times com perfis completamente diferentes, é difícil achar que o problema é só nos times que ele comandou.

O São Paulo esté em um momento de firmação e renovação, não é momento para apostas, é momento para comando. O mais engraçado é que os dois lados tem tanta certeza de que o casamento não dará certo que já optaram por um contrato de seis mêses, sinceramente eu dúvido que ele dure tanto, portanto, da mesma forma que o Carpegiani começou o campeonato brasileiro Adilson começa sua fase: Demitido!

Parabéns para a diretoria são-paulina, sempre invovando. Merece os créditos por conseguir fazer tanta merda consecutiva, dentro e fora dos gramados.